Autopistis

Estendida no fim da Travessia
Está a maior cruz do agora
Travestida de grande credo.
É a cruz da fé,
Mas da fé que se sonha,
Da fé que se imagina como fábulas
Dos grandes egos dos filhos de homens.
Nós somos as vicissitudes destes homens!
Somos nós quem roubamos as endoxas dos antigos,
Somos nós quem sequestramos a Tradição,
Subjugando-a à luz do perspectivismo.
Por consequência crescemos distantes da Videira
E vivemos a maior noite escura da cruz:
A Travessia cega contra a autopistis.

Tags:

Categoria: Poesias

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas