Tag: Vontade

Kenosis (κενόω)

Kenosis (κενόω)

Kenosis vem do verbo grego κενόω, que significa “vazio”, “despir-se”. Na língua francesa, o termo akène, tem a mesma raiz deste termo grego, e é muito usado na botânica, significando uma espécie de fruto que não pode se abrir sozinho. Em sentido teológico, análogo a isso, vemos que sozinho em seu próprio desejo, que quase […]

Continue Lendo

Cristianismo Ortodoxo: A morte para o Ego

Cristianismo Ortodoxo: A morte para o Ego

Recentemente perguntei no grupo Estudos sobre a Ortodoxia (Cristianismo Ortodoxo) se para os cristãos cuja doutrina prega que hoje vivemos numa realidade decaída (consequência da queda de Adão e Eva) é um erro falar coisas como “não gostaria de existir aqui, quero morrer logo para essa vida” – sendo esse não um pensamento suicida, mas antes um apelo à tudo […]

Continue Lendo

Breve escrito para os que encontram na Filosofia a sua razão de existir

Breve escrito para os que encontram na Filosofia a sua razão de existir

| 19/06/2016 | 1 Comentário

Se, oculto pela recusa em falar, a força motriz da tua existência for a Filosofia, és um assujeitamento não manifesto; certamente um forte loquaz, todavia, um ser-aí de fraco senso coletivo. Tenho medo de teu niilismo imperativo, da tua força que impera sem ter predicativo real de existência algum. Onde está o realismo de tua apolítica? Tenho-o tal como vejo a […]

Continue Lendo

Uma interpretação deleuziana de Nietzsche

Uma interpretação deleuziana de Nietzsche

Em sua obra Nietzsche e a Filosofia, Deleuze destaca que o projeto mais geral no pensamento nietzschiano consiste em introduzir na filosofia os conceitos de sentido e de valor de modo tal que o pensamento enfim se torne uma crítica. Crítica esta que avalia o valor dos valores, ou melhor, o problema da criação desses valores. Com […]

Continue Lendo

A felicidade no Livre Arbítrio Agostiniano

A felicidade no Livre Arbítrio Agostiniano

A Vida Feliz (386 d.C.) é evidentemente a obra de Santo Agostinho mais conhecida acerca da felicidade. Todavia o filósofo de Hipona está sempre retomando o conteúdo nela expresso por pensar ser o caminho para a virtude, impreterivelmente presente na vida cristã, também a passagem para a felicidade. Felicitar-se é uma determinação da boa vontade, sendo essa principiada pelo Livre Arbítrio (395 d.C.). É a vontade que pode […]

Continue Lendo

A ética entre o emotivismo e racionalismo

A ética entre o emotivismo e racionalismo

Em que medida os sentimentos podem ser critério para a avaliação da moralidade?

A concepção dos sentimentos como critério para a avaliação da moralidade das ações humanas caminha em sentido contrário, ao menos em sua completude, à ética racionalista (a exemplo do racionalismo ético encontra-se o cerne teórico da boa Vontade de Immanuel Kant. Esta seria determinada apenas por princípios a priori – ou seja, por leis racionais […]

Continue Lendo

Errância das ciências pelo filósofo do martelo

Errância das ciências pelo filósofo do martelo

A partir da Vontade de Poder de Nietzsche

No início de uma de suas mais importantes obras, A Vontade de Poder, Friedrich W. Nietzsche afirma ter sido o autocontrole do homem religioso uma espécie de escola preparatória para o caráter científico. Curioso essa denominação, dado que outros filósofos como os do medievo afirmavam ter sido a filosofia um preparo para o Cristianismo. Não […]

Continue Lendo

O envolvimento dúbio com o álcool

O envolvimento dúbio com o álcool

O alcoolismo é um dos problemas mundiais em saúde pública de grande envergadura e uma das maiores causas de morte clínica em muitos países. Dentre as beatitudes oferecidas pelo estado do alcoolismo, a mitologia grega mais uma vez vem à tona com Dionisio, um ótimo exemplo para explanar tal tema. Conhecido como o deus do […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas