Tag: Religião

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Com finalidade de demonstrar as semelhanças e diferenças entre Karl Marx e G. W. F. Hegel, devemos, antes de tudo, principiar que muitas de suas discordâncias estão imersas em suas convergências, pois Marx retira muito do pensamento de Hegel, sem, porém, se limitar a este, razão pela qual o primeiro “revoluciona” o sentido da obra […]

Continue Lendo

Breve nota sobre religião e moral

Breve nota sobre religião e moral

Nenhuma religião veraz poderá ser moralista, porque se o for, hesitará em religar o homem ao divino, conservando-o porém ligado ao Estado, à nação. Disto não decorre que a religião é amoral ou imoral. Decorre porém que sua ética lhe é como um meio vivo e prático de se converter a Deus.

Continue Lendo

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Perceber que se tem certos vícios alimentares ainda não considerados indiciosos por quase ninguém, ou ao menos pela massa da população que também os têm, é como encontrar um enferrujado cadeado de laboriosa abertura. Sucede que a intemperança do declínio ético-corporal se torna de difícil cura, pois sua incorreção é muito mais sutil que, i.g., o álcool, o […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

Flerte com Deus a partir da Angústia

Flerte com Deus a partir da Angústia

| 24/05/2016 | 1 Comentário

Às vezes é difícil desapegar-se de nosso passado e romper com o conjunto de tudo aquilo que, até então, nos tem formado; especial ênfase seja dada quando o rompimento ocorre de modo brusco, abrupto… Até poucos anos atrás era membro ativo de uma determinada igreja cristã e cria singelamente no divino. Todavia, a juventude veio […]

Continue Lendo

A Moral Provisória de Descartes

A Moral Provisória de Descartes

Antes de ser filósofo o filosofante é um homem, por conseguinte, continua em contato com seu corpo, com outros homens e com o tempo e a cidade onde vive. Mais que isso, contínua e necessariamente ele deve agir, deliberar, fazer escolhas. Eis que surge um contratempo: no estágio da dúvida, enquanto se pode fazer uma suspensão […]

Continue Lendo

“Os filósofos são pessoas à parte e estranhas”

“Os filósofos são pessoas à parte e estranhas”

Não basta o título deste escrito, é preciso salientar novamente o que Pierre Hadot manifestou com êxito em determinada sexta-feira de 1983: “Os filósofos então são pessoas à parte e estranhas“. E ele disse mais: A filosofia está em toda parte, nos discursos, nos romances, na poesia, na ciência, até mesmo na arte; “todavia, é […]

Continue Lendo

O Mármore, o Vinho e o Tapete

O Mármore, o Vinho e o Tapete

Algumas semanas atrás duas coisas me chamaram atenção em relação ao Irã e os países europeus. Em primeiro caso destaco a histórica viagem iniciada pelo presidente Hassan Rohani ao continente europeu já que há quase duas décadas nenhum chefe de estado do Irã o fazia. Por conseguinte o segundo ponto se engendra no primeiro, isto é, destaco a maneira como […]

Continue Lendo

Ideias Fundamentais do Liberalismo Político de John Rawls

Ideias Fundamentais do Liberalismo Político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência I sobre O Liberalismo Político, começa enfrentando três questões fundamentais sobre a justiça política numa sociedade democrática. A primeira diz respeito a qual concepção de justiça é a mais apta a ser concebida; a segunda, a quais são os fundamentos da tolerância numa sociedade composta de instituições livres, cujo resultado […]

Continue Lendo

O Iluminismo judaico e a Haskalá na filosofia Mendelssohniana

O Iluminismo judaico e a Haskalá na filosofia Mendelssohniana

Notável tanto na filosofia do Iluminismo alemão como na do judaísmo, Moisés Mendelssohn (1729-1786) foi o primeiro filósofo judeu moderno. A princípio Mendelssohn não aspirava construir uma teoria filosófica do judaísmo, ou seja, seu principal intento não era justificar racionalmente a fé de seus antepassados como faziam muitos pensadores medievais, todavia seu pensamento acaba por levá-lo […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas