Tag: Lógica

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Segundo Carnap, a análise lógica da linguagem – e somente ela – permite uma superação da metafísica enquanto conhecimento à medida que faz ver que as supostas proposições metafísicas são completamente sem-sentido. À primeira vista, ainda que as sequências de palavras das filosofias de valores pareçam proposições com significado, na análise lógica, elas se revelam como pseudoproposições; ora seus […]

Continue Lendo

Como pensar com conceitos

Como pensar com conceitos

Antes de educar-se em Filosofia, é necessário aprender a trabalhar com a mesma a partir de seus problemas, sendo um dos primeiros, a análise de conceitos. Isso porque as palavras, em seu uso comum, quase sempre estão aquém dos conceitos dos filósofos, ou antes carregam uma série de usos possíveis, mas nunca uma concepção ou […]

Continue Lendo

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Com finalidade de demonstrar as semelhanças e diferenças entre Karl Marx e G. W. F. Hegel, devemos, antes de tudo, principiar que muitas de suas discordâncias estão imersas em suas convergências, pois Marx retira muito do pensamento de Hegel, sem, porém, se limitar a este, razão pela qual o primeiro “revoluciona” o sentido da obra […]

Continue Lendo

O panteísmo estóico

O panteísmo estóico

| 04/10/2016 | 0 Comentários

O estoicismo foi uma escola fundada por Zenão de Cítio, por volta do século IV a.C, em Atenas, durante o período helenístico. O Helenismo marca a época em que a cultura grega, após as conquistas de Alexandre O Grande, sofre um sincretismo com várias outras culturas — como a egípcia, a persa e a romana —, e se […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

O racional e o místico no Tratactus de Wittgenstein

O racional e o místico no Tratactus de Wittgenstein

Esta publicação será narrada através de uma compreensão da obra O Racional e o Místico em Wittgenstein (2001) de Urbano Zilles. Atentai ao fato de que esta não é a compreensão da obra ela mesma, mas uma compreensão por meio dela que, assim como ela, corresponde a uma tentativa, por intermédio do Tractactus Logico-Philosophicus, de compreender a maneira como nosso pensamento pode encontrar um caminho […]

Continue Lendo

Não-ser, káiros e verdade como kosmos do discurso

Não-ser, káiros e verdade como kosmos do discurso

As teses de Górgias

Introdução Eis como Aldo Dinucci designa seu desafio na Miscelânea Sofística: “Falar sobre a Sofística para rebater a costumeira depreciação do pensamento sofístico”. O professor se propõe a descaracterizar os infundados preconceitos milenares a respeito da Sofística que distinguem esta da Filosofia, colocando-a como uma anti-Filosofia. No entanto, uma vez que Platão “encontrou relevância no pensamento sofístico, […]

Continue Lendo

“Meu corpo, minhas regras”?

“Meu corpo, minhas regras”?

Quem de nós mulheres pode estabelecer uma regra própria aos seus respectivos corpos? Acaso o que importa nesta sentença é unicamente o nível civil, como se esse estivesse apartado da natureza? Claro que nesse âmbito o “nosso“ corpo não é (ou não deveria ser) propriedade de homem algum nem do Estado e das demais organizações […]

Continue Lendo

Indução e Falsificabilidade

Indução e Falsificabilidade

Hume e Popper

O positivismo foi uma corrente filosófica surgida na França no começo do século XIX como uma resposta fervente ao transcendentalismo idealista alemão e ao romantismo que se alastrava pelo mundo ocidental, sendo mais tarde revisado e ampliado pelo Círculo de Viena nos anos de 1922 a 1936, dando início ao positivismo lógico (ou apenas neopositivismo). O principal […]

Continue Lendo

O Manifesto dos Instintos – Defesa ao Irracionalismo

O Manifesto dos Instintos – Defesa ao Irracionalismo

| 27/08/2015 | 0 Comentários

Num pretérito imperfeito, o messias pôs a si e ao mundo no centro de tudo e, com isso, os seus devotos em guerra contra tudo o que, de algum modo, era favorável à corrupção de sua santa palavra. Ingenuidade de nosso salvador: seu discurso já não era o mesmo há muito tempo. Nesses negros dias, […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas