Tag: Intelecto

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração, ainda que em certo grau possa haver a erudição nos ímpios. Isso porque, como expressa São Máximo, a oração – e somente ela – separa o intelecto dos pensamentos, apresentando então a verdade integralmente desnuda. Para compreender a necessidade desse desnudamento, é preciso ter em mente duas coisas: a […]

Continue Lendo

Nepsis (νῆψις)

Nepsis (νῆψις)

Nepsis (νῆψις) é um termo grego que pode ser traduzido por “vigilância” e “sobriedade”, ou fenomenalmente, pelo neptikos, o homem de “existência vigilante e sóbria”. No cristianismo oriental, se diz que a permanência neste estado é a marca da santificação, que nestes termos, se caracteriza pela permanente concentração do pensamento enquanto este não é mais afetado nem […]

Continue Lendo

Sentidos e aspectos literários das Enéadas de Plotino

Sentidos e aspectos literários das Enéadas de Plotino

Estudar um filósofo com excelência exige uma hermenêutica de sentidos e aspectos literários de seus escritos (e/ou de seus discípulos), não à toa, portanto, muitos bons filósofos foram filólogos (philologia, do grego φίλος–philos-amor e λόγος-logos-palavra/razão). Maria Molder, professora da FCSH-UNL, é um exemplo de quem defende que a filosofia e a filologia se aproximam, ou por outra, entram […]

Continue Lendo

Conhecimento experimental

Conhecimento experimental

Constituída de carne e tecidos, sinto-me em perfeito funcionamento corporal conforme fui geneticamente capacitada em nascimento. Conjuntamente, entre sangue e estrutura cerebral, pergunto-me de onde vêm as afecções sentidas neste tronco sobre o qual vividamente movo. Embora sem desenvoltura técnica, identifico todos os meus membros harmonicamente movimentando-se em ondas vibrantes, posso experienciar a energia por eles emanada. […]

Continue Lendo

Demócrito e o atomismo clássico

Demócrito e o atomismo clássico

Embora hoje o atomismo seja conhecido como uma doutrina física e química, seguramente seu estudo teve um preâmbulo filosófico, ou seja, não foi “cientificamente“ que seus fundadores – Leucipo (±490/460-420 a.C.) e Demócrito de Abdera (±460-360 a.C.) – sustaram os componentes últimos da matéria enquanto corpúsculos indivisíveis, em movimento num vazio infinito. Se quisermos uma demonstração disso, podemos recorrer a Aristóteles, pensador que […]

Continue Lendo

A Douta Ignorância Cusana:  Do máximo absoluto à sua contração

A Douta Ignorância Cusana: Do máximo absoluto à sua contração

Através da realização de um breve levantamento da teologia medieval melhor podemos chegar ao cerne da filosofia de Nicolau de Cusa, um dos pensadores mais importantes do século XV. A Idade Média foi responsável por sintetizar as concepções gregas acerca da natureza e realizar algo similar a uma instrumentação de conhecimento sobre a teologia romana […]

Continue Lendo

Laboratório de Filosofia Antiga: Plotino, Enéada III.8 [30]

Laboratório de Filosofia Antiga: Plotino, Enéada III.8 [30]

Sobre o silêncio, a natureza, a contemplação e o Uno

Comprometi-me a apresentar no Laboratório de Filosofia Antiga o pensamento de Plotino, razão pela qual meus pensamentos voltaram a se debruçar diante de tão curioso filósofo. Por dias pensei repetidas vezes no que poderia ser dito acerca de um sapiente neoplatônico tal como foi Plotino. A respeito de quê poderei discursar?, pensei. Falar de Plotino não é tarefa fácil, quem o […]

Continue Lendo

O problema dos universais na Escolástica

O problema dos universais na Escolástica

Roscelino de Compiègne, Guilherme de Champeaux e Pedro Abelardo

Alguns questionamentos são repetidamente discutidos na história da filosofia ocidental, como é o caso do problema dos universais: será que as coisas que vemos são pensadas mediante suas espécies e seus gêneros? Há relação entre os universais e os fatos (como a correlação entre o homem e este homem)? Em que medida o conhecimento humano se refere à […]

Continue Lendo

Carta n. 2

Carta n. 2

sobre Deus, o Logos e o Intelecto

03 de setembro de 2015 Caro amigo Ismar, Refrescarei em tua memória aquilo que tu estavas a me dizer mais cedo. Reclamavas por, em pleno séc. XXI, conceber a ideia de ira de Deus. Mas de que falo senão de tabus linguísticos sobre Deus? Bem falei a ti não estar falando de força ditadora alguma, […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas