Tag: Immanuel Kant

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência II sobre o Liberalismo Político, trata do construtivismo político, acreditando que este salvaguarda o pluralismo razoável e assegura a possibilidade de um consenso sobreposto em relação a seus valores políticos fundamentais, isso por conter quatro características elementares, a saber: PRIMEIRA CARACTERÍSTICA DO CONSTRUTIVISMO POLÍTICO: “Os princípios de justiça política (conteúdo) […]

Continue Lendo

O ensino de filosofia no Brasil

O ensino de filosofia no Brasil

Uma crítica a partir de Sílvio Gallo e Walter Kohan

No texto Crítica de alguns lugares-comuns ao se pensar a filosofia no Ensino Médio, Sílvio Gallo e Walter Kohan introduzem como o Brasil tem uma débil tradição no que concerne ao ensino de filosofia no nível médio. Em suma, dizem os autores, desde sua implantação no século XVI, a filosofia foi ensinada de forma dogmática, […]

Continue Lendo

Revolução Copernicana

Revolução Copernicana

A relação entre Kant e a ciência
| 19/06/2016 | 0 Comentários

O presente texto pretende discorrer a despeito da filosofia de Kant tendo como plano de fundo a Critica da Razão Pura onde emigraremos, a título de introdução, no seu posicionamento em relação à ciência  seguido de comentários do prefácio da segunda edição dessa mesma obra, tendo por objetivo introduzir o leitor nos conceitos chaves da obra kantiana, quer dizer, sua relação […]

Continue Lendo

Introdução à história e estética do Rock

Introdução à história e estética do Rock

Muito mais do que um gênero musical, o rock é uma forma de existir, uma ótica para enxergar a realidade, uma plataforma para o agir, um gênero musical para ser. O rock é uma clara expressão libertária seja ela musical, ideológica ou sexual (SCIENZA E DEMÉRITO, 2015). O rock pressupõe a troca, a reação corpórea, […]

Continue Lendo

Quatro tipos de fenômenos mentais

Quatro tipos de fenômenos mentais

Uma caracterização geral e bastante sintética dos fenômenos mentais permite classificá-los em quatro modos, a saber: Estados sensoriais: Tais como as sensações determinadas (na qualidade de branco, preto, doce, amargo etc.) e as articulações dessas determinações, os estados sensoriais dizem respeito ao aspecto qualitativo pelo qual a totalidade de uma percepção é formada. A propósito, foi a partir de Descartes […]

Continue Lendo

Uma análise ontológica sobre o que é ser filósofo

Uma análise ontológica sobre o que é ser filósofo

| 20/03/2016 | 0 Comentários

Desde que comecei minha graduação em Filosofia na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), aumentaram significativamente as situações em que a definição para a palavra “filósofo” é contornada sem grandes explicações. Existem professores que, apesar de exercerem uma atividade filosófica extremamente intensa, não se denominam filósofos por ser um título “forte demais”, mas que […]

Continue Lendo

Sobre o árduo exercício de demarcar o que é Filosofia

Sobre o árduo exercício de demarcar o que é Filosofia

| 16/02/2016 | 3 Comentários

Faz um tempo que comecei a crer na importância de delimitar a palavra “filosofia” a uma descrição objetiva. Afinal, quando alguém opta pela graduação em Filosofia, o mínimo que se espera é que o graduando saiba definir o que ele está estudando. Evidentemente, como ocorre com a maior parte dos aspirantes dessa área, a primeira […]

Continue Lendo

Ideias Fundamentais do Liberalismo Político de John Rawls

Ideias Fundamentais do Liberalismo Político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência I sobre O Liberalismo Político, começa enfrentando três questões fundamentais sobre a justiça política numa sociedade democrática. A primeira diz respeito a qual concepção de justiça é a mais apta a ser concebida; a segunda, a quais são os fundamentos da tolerância numa sociedade composta de instituições livres, cujo resultado […]

Continue Lendo

A Douta Ignorância Cusana:  Do máximo absoluto à sua contração

A Douta Ignorância Cusana: Do máximo absoluto à sua contração

Através da realização de um breve levantamento da teologia medieval melhor podemos chegar ao cerne da filosofia de Nicolau de Cusa, um dos pensadores mais importantes do século XV. A Idade Média foi responsável por sintetizar as concepções gregas acerca da natureza e realizar algo similar a uma instrumentação de conhecimento sobre a teologia romana […]

Continue Lendo

O discernimento (phronesis) como condutor ético

O discernimento (phronesis) como condutor ético

Não deixar interferir o seu estado emotivo em função do agir com o outro de certo é um exercício bastante difícil, quiçá impossível. Entretanto vejo que quanto mais se deixa as insatisfações pessoais tomarem conta do comportamento em relação ao outro mais preso em si o indivíduo se encontra. A solução disto, ao meu ver, não […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas