Tag: Deus

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

1. Pela graça de Deus, sou um homem cristão; pelas minhas ações, um grande pecador. 2. A própria oração vai revelar-lhe de que maneira ela pode se tornar uma prece perpétua; mas isso demora algum tempo. 3. Não é através da sabedoria desse mundo nem através de um vão desejo de obter conhecimentos que somos […]

Continue Lendo

As Trevas Luminosas e a Apofaticidade da Teologia Ortodoxa

As Trevas Luminosas e a Apofaticidade da Teologia Ortodoxa

“Ele revela o profundo e o escondido; conhece o que está em trevas, e com ele mora a luz.” (Daniel 2:22) A imagem mais clássica e representativa do caminho da alma para Deus, de forma paradoxal, é a treva luminosa . Autores Ortodoxos desde a antiguidade utilizaram-se deste conceito como ilustração da característica apofática da […]

Continue Lendo

Cristianismo não é conforto psicológico

Cristianismo não é conforto psicológico

Nutre grande ignorância o homem que confunde Cristianismo com conforto psicológico. O amor cristão não se confunde com sentimentalismo ordinário, tampouco se reduz às causas e falsos humanismos do mundo. O amor de Deus é o Grande Amor Pedagogo que em sua plenitude é vivenciado por quem desenvolve disciplina e renúncia. O Cristianismo não dá o mundo a ninguém, mas o mata para em seio […]

Continue Lendo

Sermão sobre o conhecimento e a ignorância

Sermão sobre o conhecimento e a ignorância

Este escrito é obra do Abade francês Bernardo de Claraval (1090-1153) que, interessado pelo “saber viver”, se propõe a falar de duas ignorâncias: a ignorância de si mesmo e a ignorância de Deus. A versão publicada aqui é um resumo do mesmo. O conhecimento das letras é bom para a instrução, mas o conhecimento da […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

O Mestre: Linguagem e Conhecimento na Filosofia Agostiniana

O Mestre: Linguagem e Conhecimento na Filosofia Agostiniana

1. BREVE HISTÓRICO: CONCEPÇÃO LINGUÍSTICA ANTERIOR E CONCOMITANTE A PLATÃO Apresentada desde antes dos gregos, a linguagem tinha uma relação mágica ou mítica com o universo, falar era participar do mesmo. As sociedades primitivas vêem a palavra como uma substância e uma força material, como um elemento cósmico do corpo e da natureza. Praticamente não havia […]

Continue Lendo

Etimologia, caracterizações e tipos de Misticismo

Etimologia, caracterizações e tipos de Misticismo

Etimologia Segundo António de Macedo [1], o substantivo “misticismo”, de cunhagem mais recente, tem sua origem em um adjetivo antigo, “mystikos”, o qual remetia aos mistérios, sobretudo os eleusinos. Por sua vez, a palavra “mistério” se originou da raiz my- (ou –mu), da qual derivaram verbos gregos como myeô (iniciar nos mistérios, sagrar, instruir) e […]

Continue Lendo

Cristianismo Ortodoxo: A morte para o Ego

Cristianismo Ortodoxo: A morte para o Ego

Recentemente perguntei no grupo Estudos sobre a Ortodoxia (Cristianismo Ortodoxo) se para os cristãos cuja doutrina prega que hoje vivemos numa realidade decaída (consequência da queda de Adão e Eva) é um erro falar coisas como “não gostaria de existir aqui, quero morrer logo para essa vida” – sendo esse não um pensamento suicida, mas antes um apelo à tudo […]

Continue Lendo

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

A definição de substância cartesiana diz que é substancial toda a coisa que existe em si mesma sem precisar de qualquer outra para existir. No entanto, essa é sua significação stricto sensu, pois, adiante, o filósofo distingue a substância incriada das substâncias criadas, o que o leva, conforme comenta Spinoza, a ser clara e distintamente rígido […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas