Tag: Ação

Guerra à filosofia do talvez

Guerra à filosofia do talvez

Nietzsche é elogiado por uma multidão de jovens e homens imaturos; não porque ele é um filósofo verdadeiro, mas porque é um poeta sedutor. Ele seduz os corações enfermos; os corações que se encontram diante do Abismo, sendo este abismo um dos maiores ídolos que o homem imaginou após a queda. O abismo sim é […]

Continue Lendo

Feminismo e Ideologia de Gênero numa perspectiva Tradicional

Feminismo e Ideologia de Gênero numa perspectiva Tradicional

Se observarmos as antigas tradições espirituais pode-se notar que geralmente se tem associado ao masculino o ativo e o exterior, o aspecto exotérico de uma cultura, enquanto que o feminino está associado ao passivo, o interior, o oculto, aquilo que não é mostrado explicitamente à luz – a alma, por exemplo, está sempre relacionada com […]

Continue Lendo

Uma interpretação deleuziana de Nietzsche

Uma interpretação deleuziana de Nietzsche

Em sua obra Nietzsche e a Filosofia, Deleuze destaca que o projeto mais geral no pensamento nietzschiano consiste em introduzir na filosofia os conceitos de sentido e de valor de modo tal que o pensamento enfim se torne uma crítica. Crítica esta que avalia o valor dos valores, ou melhor, o problema da criação desses valores. Com […]

Continue Lendo

A intelectual disciplina do corpo segundo Sertillanges

A intelectual disciplina do corpo segundo Sertillanges

Este escrito corresponde ao cap. IV da obra “A Vida Intelectual” de A. D. Sertillanges, redigida originalmente em 1920. A obra, em suma, é uma manual prático que permite ensinamentos profundos e orientações para a vida de quem deseja estudar com excelência e virtude.  Como já dissemos, a doutrina do composto humano opõe-se à dissociação das funções espirituais […]

Continue Lendo

A ética entre o emotivismo e racionalismo

A ética entre o emotivismo e racionalismo

Em que medida os sentimentos podem ser critério para a avaliação da moralidade?

A concepção dos sentimentos como critério para a avaliação da moralidade das ações humanas caminha em sentido contrário, ao menos em sua completude, à ética racionalista (a exemplo do racionalismo ético encontra-se o cerne teórico da boa Vontade de Immanuel Kant. Esta seria determinada apenas por princípios a priori – ou seja, por leis racionais […]

Continue Lendo

Sapiência como ciência das causas

Sapiência como ciência das causas

Sobre o Cap. 1 e 2 (Livro A) da Metafísica de Aristóteles

O Livro A da Metafísica de Aristóteles começa expondo que a sapiência é a mais elevada das ciências, pois esta é o conhecimento das causas e dos princípios primeiros. O filósofo grego assevera como todos os homens, por natureza, tendem ao saber. Sinal disso é o amor pelas sensações. De fato, eles amam as sensações por si mesmas, […]

Continue Lendo

O princípio do intelecto, da vida e de todas as coisas

O princípio do intelecto, da vida e de todas as coisas

O Um de Plotino

A publicação anterior tratou da visão do neoplatônico Plotino acerca da natureza e como o nascimento desta é uma contemplação voltada para a alma anterior à esta natureza. Em sua filosofia o que é gerado é homogêneo ao que gera, porém mais fraco já que o principio originado tende a perder suas características ao deslocar-se para baixo: do Um em direção ao […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas