RSSFilosofia da Ciência

“Moio!”¹

“Moio!”¹

Texto produzido e apresentado na cadeira de Tópicos de Filosofia Contemporânea IV. O programa da cadeira aborda o debate entre realistas e anti-realistas na história da filosofia da ciência. Exigência: 2 parágrafos sobre uma citação de Kuhn, tendo como roteiro os tópicos como foram abordados em aula. Se, aproveitando meu engenho humilde, Bem te penetras […]

Continue Lendo

Por que o sexo na existência humana é humano

Por que o sexo na existência humana é humano

Defendo que é uma posição mui ingênua argumentar ser a sexualidade humana eminentemente animal pois antes de tudo falar do sexo humano não é falar do sexo do ponto de vista filogênico mas todavia ôntico – e é certo que a ontogênese (história biológica do indivíduo) não é igual à filogênese (história evolutiva da espécie) bem como a sexualidade ôntica não […]

Continue Lendo

Revolução Copernicana

Revolução Copernicana

A relação entre Kant e a ciência
| 19/06/2016 | 0 Comentários

O presente texto pretende discorrer a despeito da filosofia de Kant tendo como plano de fundo a Critica da Razão Pura onde emigraremos, a título de introdução, no seu posicionamento em relação à ciência  seguido de comentários do prefácio da segunda edição dessa mesma obra, tendo por objetivo introduzir o leitor nos conceitos chaves da obra kantiana, quer dizer, sua relação […]

Continue Lendo

O racional e o místico no Tratactus de Wittgenstein

O racional e o místico no Tratactus de Wittgenstein

Esta publicação será narrada através de uma compreensão da obra O Racional e o Místico em Wittgenstein (2001) de Urbano Zilles. Atentai ao fato de que esta não é a compreensão da obra ela mesma, mas uma compreensão por meio dela que, assim como ela, corresponde a uma tentativa, por intermédio do Tractactus Logico-Philosophicus, de compreender a maneira como nosso pensamento pode encontrar um caminho […]

Continue Lendo

Larry Laudan: A ciência como atividade de resolução de problemas

Larry Laudan: A ciência como atividade de resolução de problemas

“A ciência é, em essência, uma atividade de resolução de problemas“, disse Larry Laudan em 1986. Breves descrições biográficas bem podem explanar como um homem chegou a ser um filósofo da ciência e epistemologia contemporânea, e, fazendo jus a seu título, tornar-se um forte crítico às pretensões da epistemologia cientificista em aspectos como o realismo epistemológico e […]

Continue Lendo

Que é a matéria, de Bertrand Russell

Que é a matéria, de Bertrand Russell

Bertrand Russell no ABC da Relatividade levanta a questão “Que é matéria?” não na qualidade de metafísico, mas referindo-se à possível veracidade da Física moderna e, mais especialmente, da teoria da relatividade. Russell mostra haver, desde o início da especulação científica, duas concepções tradicionais de matéria, isto é, a dos atomistas, que a começar por Leucipo e Demócrito concebia […]

Continue Lendo

O lugar do homem nas ciências da natureza

O lugar do homem nas ciências da natureza

Um amigo queixava-se de como a ciência procede acerca da relação dos homens com as demais partes da natureza, isto é, dos animais e plantas. Partindo do pressuposto de que as ciências exatas eram também ciências humanas ainda que fossem designadas por Ciências da Natureza, meu amigo perguntou como elas podiam ser conduzidas, disse ele:  <<essas […]

Continue Lendo

A arte matemática

A arte matemática

n.1

A maior descoberta na vida de um homem é a descoberta do método. Senão do melhor método, daquele que lhe é próprio. E ele o conduz ao fim de todos os métodos, que não pode ser outra coisa senão a sapiência. Mas um e outro, isto é, a sapiência e o método, não são em […]

Continue Lendo

O que é Ciência para o biofilósofo S. J. Gould

O que é Ciência para o biofilósofo S. J. Gould

Não há nada nos fenômenos, e não pode haver, que indique um início ali, não mais do que acolá, ou, na verdade, em qualquer lugar que seja. O início, como fato, devo saber por meio de testemunho; não tenho meio algum de inferi-lo a partir dos fenômenos. (P. H. Gosse, Omphalos, p. 353) A tese […]

Continue Lendo

Indução e Falsificabilidade

Indução e Falsificabilidade

Hume e Popper

O positivismo foi uma corrente filosófica surgida na França no começo do século XIX como uma resposta fervente ao transcendentalismo idealista alemão e ao romantismo que se alastrava pelo mundo ocidental, sendo mais tarde revisado e ampliado pelo Círculo de Viena nos anos de 1922 a 1936, dando início ao positivismo lógico (ou apenas neopositivismo). O principal […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas