RSSMetafísica e Ontologia

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

O fio condutor para relacionar a crise da Metafísica com a vida está na narrativa do Crepúsculo dos Ídolos, segundo a qual não é preciso dispor de forças reativas para teorizar em favor do declínio do suprassensível – para isso, de forma genealógica, basta narrar a própria história da Metafísica. Pois bem, segundo Nietzsche, ela começa com […]

Continue Lendo

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

| 19/03/2017

A relação inaugural entre Lógica e Metafísica está no poema de Parmênides, o qual sugere uma profunda identidade entre ser e pensar. Uma vez que a repercussão à sua premissa – seja a partir da aceitação seja da oposição – é tão vasta na História da Filosofia, um dos caminhos para a superação da Metafísica – […]

Continue Lendo

O panteísmo estóico

O panteísmo estóico

| 04/10/2016 | 0 Comentários

O estoicismo foi uma escola fundada por Zenão de Cítio, por volta do século IV a.C, em Atenas, durante o período helenístico. O Helenismo marca a época em que a cultura grega, após as conquistas de Alexandre O Grande, sofre um sincretismo com várias outras culturas — como a egípcia, a persa e a romana —, e se […]

Continue Lendo

O conceito de Logos em Heidegger

O conceito de Logos em Heidegger

Uma das propostas fundamentais de Heidegger é desobstruir a polissemia do conceito de logos. Eis como, à sua maneira, a filosofia heideggeriana se volta à anterioridade do logos apofântico[1] que, ao contrário de vislumbrar o ser simplesmente dado (vorhanden), se atenta ao contexto de cada coisa em sua relação com a totalidade. O sujeito então […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

O que a Filosofia Primeira de Aristóteles estuda?

O que a Filosofia Primeira de Aristóteles estuda?

Metafísica Delta e Gama

Para Aristóteles, a filosofia primeira (ontologia) é a ciência que estuda o ente enquanto ente, isto é, a compreensão do ser em seu sentido primeiro e substancial. A filosofia não é uma ciência em particular que busca conhecer no ente um atributo por concomitância (que acompanha o ser, isto é, o ente enquanto “outro”, “ao […]

Continue Lendo

A busca do Inútil em Bergson

A busca do Inútil em Bergson

Da natureza da mudança à dilatação da percepção na Arte

Henri Bergson revigorou a importância da metafísica no início do século XX, reestruturando radicalmente sua comum compreensão. O filósofo compreende uma metafísica do devir, distinta da ciência dos primeiros princípios, da permanência, que essencialmente constituíam a tradição filosófica histórica. Desde o início, segundo Bergson, a tradição não contemplou rigorosamente o papel da mudança, rumando sentido […]

Continue Lendo

Feminismo e Ideologia de Gênero numa perspectiva Tradicional

Feminismo e Ideologia de Gênero numa perspectiva Tradicional

Se observarmos as antigas tradições espirituais pode-se notar que geralmente se tem associado ao masculino o ativo e o exterior, o aspecto exotérico de uma cultura, enquanto que o feminino está associado ao passivo, o interior, o oculto, aquilo que não é mostrado explicitamente à luz – a alma, por exemplo, está sempre relacionada com […]

Continue Lendo

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

A definição de substância cartesiana diz que é substancial toda a coisa que existe em si mesma sem precisar de qualquer outra para existir. No entanto, essa é sua significação stricto sensu, pois, adiante, o filósofo distingue a substância incriada das substâncias criadas, o que o leva, conforme comenta Spinoza, a ser clara e distintamente rígido […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas