RSSFilosofia Moderna

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

Em seu discurso Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos, Benjamin Constant se propõe a distinguir duas formas de liberdade, qual seja, a da Antiguidade e da Modernidade, sendo a primeira sumamente entendida como liberdade política, e a segunda, como liberdade individual. A liberdade dos antigos, diz ele, “…consistia em exercer coletiva, mas diretamente, […]

Continue Lendo

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Com finalidade de demonstrar as semelhanças e diferenças entre Karl Marx e G. W. F. Hegel, devemos, antes de tudo, principiar que muitas de suas discordâncias estão imersas em suas convergências, pois Marx retira muito do pensamento de Hegel, sem, porém, se limitar a este, razão pela qual o primeiro “revoluciona” o sentido da obra […]

Continue Lendo

O conceito de Logos em Heidegger

O conceito de Logos em Heidegger

Uma das propostas fundamentais de Heidegger é desobstruir a polissemia do conceito de logos. Eis como, à sua maneira, a filosofia heideggeriana se volta à anterioridade do logos apofântico[1] que, ao contrário de vislumbrar o ser simplesmente dado (vorhanden), se atenta ao contexto de cada coisa em sua relação com a totalidade. O sujeito então […]

Continue Lendo

A teologia antropológica e a filosofia do futuro de Feuerbach

A teologia antropológica e a filosofia do futuro de Feuerbach

Apêndice d’Essência do Cristianismo: “O meu livro contém, disse-o acima, o princípio desenvolvido in concreto de uma filosofia nova, não dirigida à escola, mas ao homem.” Na grande Heidelberg, situada no vale do rio Neckar, na Alemanha, o jovem Feuerbach, tendo sido educado no protestantismo, concluiu seu curso de Teologia, mas adiante, detendo-se à Filosofia, veio a […]

Continue Lendo

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

Crítica de G. K. Chesterton ao ceticismo da Modernidade

G. K. Chesterton, embora tenha vivido num momento histórico cujo império das opiniões circundava a praticidade antimetafísica, encontrou um direcionamento oposto à Modernidade, a saber, o seio da tradição cristã. Na sua busca, em primeiro lugar, ele intuiu que este mundo é incapaz de explicar-se. Em segundo, passou a acreditar que o sobrenatural tem algum significado, e que isso […]

Continue Lendo

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

Qual a diferença entre Descartes e Spinoza na definição de “substância” ?

A definição de substância cartesiana diz que é substancial toda a coisa que existe em si mesma sem precisar de qualquer outra para existir. No entanto, essa é sua significação stricto sensu, pois, adiante, o filósofo distingue a substância incriada das substâncias criadas, o que o leva, conforme comenta Spinoza, a ser clara e distintamente rígido […]

Continue Lendo

Como Spinoza fundamenta a tese do necessitarismo: “O necessário é a única modalidade do ser”?

Como Spinoza fundamenta a tese do necessitarismo: “O necessário é a única modalidade do ser”?

A filosofia de Spinoza culmina na proposição de que as noções de realidade, determinação e atualidade se reúnem num único complexo onde tudo é necessário e, por conseguinte, nada é contingente. A contingência, aliás, é mera imaginação acarretada pela ignorância dos homens sobre as verdadeiras causas das coisas. De fato, “o que é, é pura necessidade”, nada […]

Continue Lendo

Sobre o Empirismo e o Racionalismo de John Locke

Sobre o Empirismo e o Racionalismo de John Locke

Classificar um filósofo em específico seja como racionalista ou empirista seja com quaisquer outros termos já implica numa aspiração árdua e abundante – e nesse caso classificar especificamente John Locke (1632 – 1704) como um empirista mitigado ou por outro lado um racionalista que não despreza a experiência é de um designo muito mais sutil […]

Continue Lendo

Hermenêutica: Etimologia e significado

Hermenêutica: Etimologia e significado

Um dos modos preambulares para compreender a Hermenêutica é a volta etimológica ao seu conceito, um exercício não apenas de curiosidade, mas, sobretudo, útil em seu entendimento. Segue-se que, de origem grega, a Hermenêutica (hermeneuein) é tida como a filosofia da interpretação, sendo originalmente afiliada à Hermes que, segundo a mitologia grega, chamado de “deus-intérprete”, costumava […]

Continue Lendo

Morte e suicídio em Spinoza

Morte e suicídio em Spinoza

Conceito de caráter naturalista e "homicídio" imaginário
| 23/06/2016 | 9 Comentários

Não sou mais aquele, não sou outro, sou a poeira da ampulheta virada para baixo, depois para cima, uma partícula do meu próprio cosmo que o tempo sopra para debaixo desse ciclo, nada mais, porque sei que lá atrás outros em mim existiram e lá adiante outros se multiplicarão na minha pele apesar dessa carcaça […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas