RSSHistória da Filosofia

Um discurso em mangas de camisa – Tobias Barreto

Um discurso em mangas de camisa – Tobias Barreto

Meus senhores! Ainda uma vez, é a mim que incumbe vir expor-vos, e em traços mais visíveis, a ideia que se propõe realizar o Clube Popular da Escada. A primeira reunião que já fizemos não foi, nem podia ser inteiramente satisfatória, sob este ponto de vista, porquanto, além da grave dificuldade, que há em falar-se, […]

Continue Lendo

A linguagem em Platão à luz de Arendt

A linguagem em Platão à luz de Arendt

| 26/07/2017 | 0 Comentários

Em A vida do Espirito, Hannah Arendt disserta (p. 90), se baseando na famosa Sétima Carta de Platão, sobre a visão do autor em relação à linguagem. Em geral, Platão escreve seus textos em forma de diálogos. Isso não parece se dar por acaso, já que, de acordo com Arendt, Platão crê que é possível […]

Continue Lendo

A alma tirânica e os sonhos

A alma tirânica e os sonhos

Dizia o velho Platão que no sonho, mesmo entre os homens mais virtuosos, a razão adormece; e enquanto dorme, desperta a irascibilidade. O mesmo pensamento (ou ao menos o cerne dele) permanece ao longo dos séculos, continuadamente vivo entre os mais versados homens modernos sobre os sonhos, a maioria deles mencionados por Freud em sua […]

Continue Lendo

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração, ainda que em certo grau possa haver a erudição nos ímpios. Isso porque, como expressa São Máximo, a oração – e somente ela – separa o intelecto dos pensamentos, apresentando então a verdade integralmente desnuda. Para compreender a necessidade desse desnudamento, é preciso ter em mente duas coisas: a […]

Continue Lendo

A angústia na filosofia heideggeriana

A angústia na filosofia heideggeriana

Na angústia o homem se sente estranho – todas as coisas e o próprio ser-aí afundam numa indiferença. Através dessa indiferença, o homem deixa de encontrar apoio no ente. Não há significação, não há projeto de ser, não resta nenhum consolo: o ente já não diz nada. A angústia, nesse sentido, inviabiliza que o ser-aí […]

Continue Lendo

As paixões e o desejo na filosofia grega

As paixões e o desejo na filosofia grega

Em seu texto Os Gregos e o Desejo do Ser: Dos Préplatônicos a Aristóteles (Les Grecs et Le Désir de L’Être: Des préplatoniciens à Aristote), Jean Frére mostra o quão parcial e unilateral é limitar a filosofia grega aos seus aspectos racionais. Aliás, as influências da arte dionisíaca e dos heróis homéricos são testemunhas do […]

Continue Lendo

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

O fio condutor para relacionar a crise da Metafísica com a vida está na narrativa do Crepúsculo dos Ídolos, segundo a qual não é preciso dispor de forças reativas para teorizar em favor do declínio do suprassensível – para isso, de forma genealógica, basta narrar a própria história da Metafísica. Pois bem, segundo Nietzsche, ela começa com […]

Continue Lendo

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência II sobre o Liberalismo Político, trata do construtivismo político, acreditando que este salvaguarda o pluralismo razoável e assegura a possibilidade de um consenso sobreposto em relação a seus valores políticos fundamentais, isso por conter quatro características elementares, a saber: PRIMEIRA CARACTERÍSTICA DO CONSTRUTIVISMO POLÍTICO: “Os princípios de justiça política (conteúdo) […]

Continue Lendo

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

| 19/03/2017

A relação inaugural entre Lógica e Metafísica está no poema de Parmênides, o qual sugere uma profunda identidade entre ser e pensar. Uma vez que a repercussão à sua premissa – seja a partir da aceitação seja da oposição – é tão vasta na História da Filosofia, um dos caminhos para a superação da Metafísica – […]

Continue Lendo

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Segundo Carnap, a análise lógica da linguagem – e somente ela – permite uma superação da metafísica enquanto conhecimento à medida que faz ver que as supostas proposições metafísicas são completamente sem-sentido. À primeira vista, ainda que as sequências de palavras das filosofias de valores pareçam proposições com significado, na análise lógica, elas se revelam como pseudoproposições; ora seus […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas