RSSSaúde

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Perceber que se tem certos vícios alimentares ainda não considerados indiciosos por quase ninguém, ou ao menos pela massa da população que também os têm, é como encontrar um enferrujado cadeado de laboriosa abertura. Sucede que a intemperança do declínio ético-corporal se torna de difícil cura, pois sua incorreção é muito mais sutil que, i.g., o álcool, o […]

Continue Lendo

A intelectual disciplina do corpo segundo Sertillanges

A intelectual disciplina do corpo segundo Sertillanges

Este escrito corresponde ao cap. IV da obra “A Vida Intelectual” de A. D. Sertillanges, redigida originalmente em 1920. A obra, em suma, é uma manual prático que permite ensinamentos profundos e orientações para a vida de quem deseja estudar com excelência e virtude.  Como já dissemos, a doutrina do composto humano opõe-se à dissociação das funções espirituais […]

Continue Lendo

“Meu corpo, minhas regras”?

“Meu corpo, minhas regras”?

Quem de nós mulheres pode estabelecer uma regra própria aos seus respectivos corpos? Acaso o que importa nesta sentença é unicamente o nível civil, como se esse estivesse apartado da natureza? Claro que nesse âmbito o “nosso“ corpo não é (ou não deveria ser) propriedade de homem algum nem do Estado e das demais organizações […]

Continue Lendo

A alimentação como um condutor ético

A alimentação como um condutor ético

Pensando acerca da ética em seu sentido mais profundo, ou seja, atribuindo seu valor não num compêndio de teorias, mas no exercício da virtude, pensei na boa alimentação enquanto um condutor ético. Afinal, assim como disse Edgar Morin em 1999, nossas atividades biológicas mais elementares – incluindo aqui o ato de comer – estão estreitamente […]

Continue Lendo

O maior processo biológico da mulher

O maior processo biológico da mulher

Dado que os fenômenos da arte nascem no corpo, esse pode ser concebido como matriz da expressão artística. Especificamente no feminino, a cor avermelhada ganha força simbolizando o ciclo menstrual, maximidade da potência corporal da mulher. Algumas sociedades antigas concebiam esse ciclo como um sutil processo de purificação. Entre os aborígenes australianos, o sangue menstrual […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas