RSSCrônicas e contos

Numerologia

Numerologia

A primeira frase é sempre a primeira. A segunda, falando da primeira, diz que a primeira é a que mais custa. À quinta sonha-se com a sexta. O parágrafo, primeiro, confunde; depois termina a semana. Segundo Parágrafo, “parece tautologia”. Tão tola é a lógica quanto o tao tolo que o chino ensina. Torna o parafuso […]

Continue Lendo

Publico

Publico

Se o faço, faço-o segundo regras. A partir de agora fico fixo. Esta é a minha imagem pública. Esta é a imagem que de mim projeto enquanto texto. O texto, porque texto, de meu pouco tem; e tão pouco de meu tem que o que de mim tem é ainda menos com o que de […]

Continue Lendo

Filósofos?

Filósofos?

Doentes e Doidos

“Os poetas místicos são filósofos doentes, / E os filósofos são homens doidos.” (CAEIRO, 1914) Doentes. Homens doentes. Homens. Portanto doidos. Doidos e doentes. Ora vejamos. Os filósofos são homens: disso não deve restar dúvidas. Homens, sim, porque a filosofia de feminino só tem o gênero gramatical: a sua história é a do enamoramento do […]

Continue Lendo

Biciclética

Biciclética

1. Bicicleta como filosofia? Assim me ocorria quando hoje pedalava para casa, reparando como na bicicleta o espaço que me separa entre o lugar para onde me desloco e o refúgio onde por fim volto são por mim conquistados à força do esforço que eu enquanto corpo faço. Verborreia. Mais simples o que digo refaço: […]

Continue Lendo

Acorda, Macac@!

Acorda, Macac@!

Sim, tu.

Acorda. Olha para mim enquanto para ti olho: agora. Olha. <olh@ em volta> Que vês? Sê honest@. Aqui? Aqui é texto. Mas olha em volta. Olha para quarto; sala; banheiro. Vê-te contigo em volta. Sem roupas roupas. Sem teorias. Olha. Que vês? Macac@. Não penses. Olha. Vê apenas. Deixa cair o tédio que usas por […]

Continue Lendo

Estragos

Estragos

| 05/10/2016 | 2 Comentários

Mors Ela veio, fez um pequeno estrago e foi embora. E então começa a tragédia prosaica, quando se torna perceptível a manifestação desenfreada do ódio reivindicando o amor, ou melhor, da falta dele, da procura dele. Quando o temos sentimos-nos completos, a vida passa a ter um roteiro cinematográfico e toda monotonia alienante do cotidiano […]

Continue Lendo

A Fábula de Ernesto Mata 

A Fábula de Ernesto Mata 

Molécula de espanto; uma festa de átomos. Ernesto, junto à fogueira, esperava pacientemente por aquela brecha. De todas as conversas, calhava-lhe agora a vez de tomar a candeia do discurso. Suspirou. Tomou do ar profundo e expirando lhes disse: “No princípio era o átomo. Meu calhou o nome de Ernesto. Não o pedi; mas não […]

Continue Lendo

The Name Calling Apes

The Name Calling Apes

This is a tale of the name calling apes. These are a bunch of apes pretending that they are ‘human’. The point of our tale is: none of the apes has the slightest clue of what a ‘human’ is or even how a ‘human’ looks. Let’s look at it in this way: if one of […]

Continue Lendo

Confissão Primeira

Confissão Primeira

Em homenagem a Santo Agostinho, que no ano 430 morreu na mesma data que marcou este domingo (28 de agosto), decido fazer uma confissão virtual acerca do meu dia. São 03:13 da manhã e, em renúncia provisória do meu sono, ainda não dormi por estudar para um projeto de pesquisa. Confesso que 24 horas não […]

Continue Lendo

O meu “teorema do macaco infinito”

O meu “teorema do macaco infinito”

Segundo o teorema do macaco infinito, “um macaco batendo ao acaso nas teclas de uma máquina de escrever ao longo de uma quantidade de tempo infinita quase certamente iria produzir um determinado texto, tal como as obras completas de William Shakespeare.” And there it goes. Não é o meu objetivo aqui ficar a discutir a validade […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas