Elan Marinho

Elan Marinho

Inconstante, póstumo, jovial, epicureu enrustido, de essência aparente, amor fati e, sobretudo, de amor ao amor ao não-saber, ou, sinteticamente: um paradoxo doutrinado na escola do devir.

feed RSS Facebook Site do Autor

Elan Marinho: Suas Últimas Postagens

Górgias e o “Lógos”

Górgias e o “Lógos”

| 09/01/2017 | 0 Comentários

Introdução Na antiguidade, a democracia grega era baseada na tentativa de resolução de problemas por meio do diálogo. Através de assembleias – reuniões de cidadãos – os discursos se confrontavam e os mais persuasivos eram aproveitados para a tomada de decisões. Nesse sentido, o domínio sobre o Lógos – enquanto “discurso” – estava relacionado ao […]

Continue Lendo

Considerações sobre a servidão voluntária em Étienne de La Boétie

Considerações sobre a servidão voluntária em Étienne de La Boétie

| 13/12/2016 | 0 Comentários

Nascido na França, Étienne de La Boétie, escreve – supostamente, aos 18 anos – seu “Discurso Sobre a Servidão Voluntária”, que foi publicado após sua morte por seu contemporâneo e amigo, Montaigne. Embora a obra tenha sido produzida há mais de quatro séculos, a sua temática – a relação entre a liberdade e a obediência […]

Continue Lendo

“Quando e por que os homens obedecem?”

“Quando e por que os homens obedecem?”

Uma reflexão sobre o “Discurso Sobre a Servidão Voluntária” de Étienne de La Boétie sob a ótica de Weber
| 03/12/2016 | 0 Comentários

Ao criticar uma fala de Homero em “Ilíada”, Étienne explica que o domínio produzido por um pequeno número de tiranos é ruim, mas que poderia piorar quanto maior fosse a quantidade de “soberanos” a dominar, porque então aumentaria a dureza e diminuiria a razoabilidade da dominação. Isso, é claro, do ponto de vista do dominado […]

Continue Lendo

Uma análise primária da relação entre a(s) ciência(s) e a Filosofia

Uma análise primária da relação entre a(s) ciência(s) e a Filosofia

| 02/06/2016 | 0 Comentários

Um tempo atrás, me peguei pensando em uma possível definição para o conceito de ciência. De súbito, emergiu também a questão sobre se Filosofia seria ciência. Antes de qualquer conclusão quanto a isso, pensei ser importante definir o que seria Filosofia e, em seguida, estabelecer uma demarcação de maior profundidade ao analisar a problemática de […]

Continue Lendo

Uma análise ontológica sobre o que é ser filósofo

Uma análise ontológica sobre o que é ser filósofo

| 20/03/2016 | 0 Comentários

Desde que comecei minha graduação em Filosofia na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro), aumentaram significativamente as situações em que a definição para a palavra “filósofo” é contornada sem grandes explicações. Existem professores que, apesar de exercerem uma atividade filosófica extremamente intensa, não se denominam filósofos por ser um título “forte demais”, mas que […]

Continue Lendo

Sobre o árduo exercício de demarcar o que é Filosofia

Sobre o árduo exercício de demarcar o que é Filosofia

| 16/02/2016 | 3 Comentários

Faz um tempo que comecei a crer na importância de delimitar a palavra “filosofia” a uma descrição objetiva. Afinal, quando alguém opta pela graduação em Filosofia, o mínimo que se espera é que o graduando saiba definir o que ele está estudando. Evidentemente, como ocorre com a maior parte dos aspirantes dessa área, a primeira […]

Continue Lendo

10 ensinamentos que todo iniciante na Filosofia deveria saber

10 ensinamentos que todo iniciante na Filosofia deveria saber

| 06/02/2016 | 0 Comentários

Em outro texto, descrevi minha odisseia em busca de uma definição objetiva e satisfatória para a palavra “filosofia”. Embora tenha esbarrado em algumas tentativas, nenhuma atingiu a ideia perfeita que tanto almejava. Ainda assim, confesso que foi uma aventura agradável e enriquecedora. Ao final dessa magnífica jornada, pensei em uma maneira de não deixar o leitor […]

Continue Lendo

A Genealogia da Moral: Do devir de valores e de seu rebento

A Genealogia da Moral: Do devir de valores e de seu rebento

| 16/10/2015 | 0 Comentários

A moral é a decisão sobre como viver, portanto, exige o estabelecimento de valores. Todavia, por muito tempo, os homens entenderam os conceitos como eternos, imutáveis, bons por si mesmos; exerceram o que Nietzsche chamava de “egipcismo”: a tentativa de transformar as ideias em múmias, de conservá-las, de mumificar a sua valorização. Consideramos, pois, a […]

Continue Lendo

O Paradoxo de Epicuro

O Paradoxo de Epicuro

questões orbitantes e tréplicas às réplicas
| 06/09/2015 | 0 Comentários

  A questão sobre a incompatibilidade entre a existência de Deus e a do mal é uma das que garanto que todo filósofo ocidental, mesmo que em estado de iniciação filosófica, já questionou. Ela foi, aliás, meu primeiro desafio filosófico que se iniciou no período em que ainda era teísta e que, com o auxilio […]

Continue Lendo

Uma análise perspectivista quanto a questão do sentido da vida

Uma análise perspectivista quanto a questão do sentido da vida

| 01/09/2015 | 0 Comentários

A questão do sentido da vida é, sem dúvida, uma das mais importantes que existem; é, em suma, a espinha dorsal da história do pensamento. No entanto, o que faz essa questão ser tão relevante (e complexa, aliás) de modo tão surpreendente são os seus problemas; o primeiro deles, é claro, está contido na palavra […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas