Arquivo para maio, 2017

A angústia na filosofia heideggeriana

A angústia na filosofia heideggeriana

Na angústia o homem se sente estranho – todas as coisas e o próprio ser-aí afundam numa indiferença. Através dessa indiferença, o homem deixa de encontrar apoio no ente. Não há significação, não há projeto de ser, não resta nenhum consolo: o ente já não diz nada. A angústia, nesse sentido, inviabiliza que o ser-aí […]

Continue Lendo

As paixões e o desejo na filosofia grega

As paixões e o desejo na filosofia grega

Em seu texto Os Gregos e o Desejo do Ser: Dos Préplatônicos a Aristóteles (Les Grecs et Le Désir de L’Être: Des préplatoniciens à Aristote), Jean Frére mostra o quão parcial e unilateral é limitar a filosofia grega aos seus aspectos racionais. Aliás, as influências da arte dionisíaca e dos heróis homéricos são testemunhas do […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas