Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência II sobre o Liberalismo Político, trata do construtivismo político, acreditando que este salvaguarda o pluralismo razoável e assegura a possibilidade de um consenso sobreposto em relação a seus valores políticos fundamentais, isso por conter quatro características elementares, a saber:

PRIMEIRA CARACTERÍSTICA DO CONSTRUTIVISMO POLÍTICO: “Os princípios de justiça política (conteúdo) podem ser representados como o resultado de um procedimento de construção (estrutura). Nesse procedimento, os agentes racionais, em seu papel de representantes dos cidadãos e sujeitos a condições razoáveis, selecionam os princípios que regulam a estrutura básica da sociedade” (§ 1.2).

SEGUNDA CARACTERÍSTICA: “O procedimento de construção baseia-se essencialmente na razão prática, e não na razão teórica. Tendo em mente a forma como Kant faz essa distinção, dizemos: a razão prática preocupa-se com a produção de objetos de acordo com uma concepção desses objetos, como, por exemplo, a concepção de um regime constitucional justo considerado como o objetivo da atividade política – ao passo que a razão teórica diz respeito ao conhecimento de determinados objetos. Observe que dizer que o procedimento de construção se baseia essencialmente na razão prática não significa negar que a razão teórica tenha um papel. Ela dá forma às crenças e ao conhecimento das pessoas racionais que participam da construção; e essas pessoas também empregam suas capacidades gerais de raciocínio, inferência e julgamento ao selecionar os princípios de justiça” (§ 1.2).

TERCEIRA CARACTERÍSTICA: “Utilizar uma concepção bem complexa de pessoa e sociedade para dar forma e estrutura à construção (…) O construtivismo político vê a pessoa como membro de uma sociedade política entendida como um sistema equitativo de cooperação social de uma geração para outra. Supõe-se que as pessoas disponham de duas faculdades morais conjugadas a essa ideia de cooperação social: a capacidade de ter senso de justiça e de ter uma concepção de bem” (§ 1.2).

QUARTA CARACTERÍSTICA: “O construtivismo político especifica uma ideia do razoável e aplica essa ideia a vários objetos: concepções e princípios, juízos e fundamentos, pessoas e instituições. Em cada caso, também deve, é claro, especificar os critérios para julgar se o objeto em questão é razoável. No entanto, o construtivismo não usa (nem nega), como o faz o intuicionismo racional, o conceito de verdade: não questiona esse conceito nem diria que o conceito de verdade e sua ideia razoável são a mesma coisa (…) Um dos motivos é que a ideia do razoável torna possível um consenso sobreposto das doutrinas razoáveis de uma forma que não está ao alcance do conceito de verdade” (§ 1.2).

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Filosofia Contemporânea, Filosofia Social e Política, História da Filosofia, Política

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Comentários (1)

Trackback URL | Feed RSS dos Comentários

Sites que fazem link para essa postagem

  1. Resenha de “O Liberalismo Político” de John Rawls : FiloVida | 20/03/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas