Pragmática: Implicatura Conversacional

Herbert Paul Grice (1913 - 1988)

Herbert Paul Grice (1913 – 1988)

A Implicatura Conversacional, uma das ideias mais importantes da pragmática, indica uma série de explicações funcionais dos fenômenos linguísticos; sendo ela que comporta a compreensão de como é possível querer dizer mais do que é efetivamente dito ou expresso literalmente; garantindo assim a uma língua a coexistência de um núcleo semântico estável ao lado de uma camada pragmática inteiramente ligada ao “contexto”, contexto este aqui chamado de Implicatura.

As ideias centrais para tal compreensão foram propostas entre as décadas de 1960 e 1970 por Paul Grice, um estudioso da teoria do significado nn cuja proposta é a seguinte: determinada comunicação pode ser efetivada mesmo na ausência de quaisquer meios convencionais para expressar a mensagem pretendida – e se por um lado a teoria nn permite que se derive de um enunciado várias inferências, mesmo que nem todas pretendam ser reconhecidas como pretendidas, o tipo de inferências de implicaturas são exclusivamente do tipo conversacional pretendido.

Além disso, o conceito de Implicatura de Grice tem base em sua teoria a respeito de como as pessoas usam a língua na conduta da conversação, que não consiste apenas em condutas racionais básicas, mas além disso sobretudo no fim cooperativo que orienta os usos eficientes da língua pelas máximas da qualidade, da quantidade, da relevância e do modo.

Dessa maneira, para que uma conversa seja maximamente eficiente, racional e cooperativa, o interlocutor deve falar apenas o que é verdadeiro e por conseguinte nunca dizer o que acredita ser falso ou proferir coisas para as quais ele carece de evidências adequadas (Máxima da Qualidade); fazendo com que sua contribuição seja tão informativa quanto for necessária e não mais do que isso (Máxima da Quantidade); além disso, suas contribuições devem ser relevantes para o propósito da comunicação (Máxima da Relevância); e por fim, que seja breve e ordenada, evitando a obscuridade, ambiguidade e a falta de clareza (Máxima do Modo).

Grice apresenta três tipos de situações em que as Implicaturas poderão ocorrer, são elas:

  1. Quando nenhuma Máxima é violada;
  2. Quando uma Máxima ou mais é violada.

Segue exemplos de:

  1. Quando nenhuma Máxima é violada:(A) Meu carro está ficando sem gasolina.
    (B) Tem um posto logo na esquina.Aparentemente, há uma quebra da Máxima da Relação. Entretanto, (B) diz que há um posto logo na esquina porque espera que (A) seja capaz de inferir que deve ir até o local mencionado, a fim de resolver o seu problema, colocando gasolina em seu carro. Por isso, diz-se que (B) está observando o Princípio Cooperativo.
  2. Quando uma Máxima é violada.(A) Você consegue compreender metafísica, com seu pouco tempo para estudar?
    (B) Eu me esforço, não é?A resposta de (B) quebra a Máxima de Modo, por falta de clareza, já que a resposta esperada seria “sim” ou “não”. Entretanto, (B) responde assim para implicar que, honestamente, não pode dar uma resposta exata para (A), preservando, então, a Máxima da Qualidade. Essa é uma interpretação possível, uma vez que, se (B) está sendo cooperativo, ele autoriza (A) a buscar uma inferência desse tipo.

Por fim, de uma forma ou outra, a teoria da Implicatura Conversacional de Grice trouxe uma nova visão à pragmática: os enunciados nem sempre se limitam ao convencional, quer dizer, ao núcleo semântico estável e independente do contexto, ao contrário, como disse Almir Oliveira (2009), “Todo o esforço é válido para manter/implicar a comunicação”.

Tags: , , , , , ,

Categoria: Filosofia, Filosofia da Linguagem

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas