A polissemia do ser em Aristóteles

Aristóteles (384 a.C. — 322 a.C.)

Aristóteles (384 a.C. — 322 a.C.)

Na filosofia aristotélica o ser é o mais universal dos conceitos e é também um operador lógico. Assim, mesmo sendo dito de modo polissêmico, conforme comentado por Giovanni Reale (1986), “tudo aquilo que não é puro nada encontra-se em pleno título na esfera do ser, seja uma realidade sensível, seja uma realidade inteligível. Mas a multiplicidade e a variedade do ser não comporta pura ‘homonímia’, porque cada um e todos os significados do ser implicam ‘referência comum à unidade’, ou seja, ‘referência à substância’ estrutural. Portanto, o ser é substância, alteração da substância ou atividade da substância – de qualquer modo, algo-que-reporta-à-substância”. Nesse sentido, o que se pensa sobre o ser necessariamente contém uma unidade substancial, caso contrário, o que quer que se falasse de um determinado ser não seria dito deste mesmo ser, e sim de qualquer ser outro.

Em outros termos, Aristóteles quer dizer que a multiplicidade (ou a polissemia) do ser converge para a substância. Então, categoricamente, quando alguém fala sobre qualquer coisa, ou a coisa é dita porque é diretamente da substância ou porque é uma afecção da substância ou quaisquer outras vias que levam à substância, seja porque são qualidades, quantidades, relações, ações, paixões, lugares, temporalidades, o ter ou o jazer. E dado que todas essas categorias dependem da substância, ela é a única coisa que tem consistência ontológica verdadeira, donde se segue que toda a polissemia do ser carece da substância para existir. Além das categorias, o ser existe também como ato potência (que estão em todas as categorias, pois toda substância pode ser em ato ou potência), como acidente (de modo causal e fortuito, somente “às vezes”, casualmente) e como verdadeiro (expresso pela linguagem humana).

Assim, conforme foi exposto, decerto para Aristóteles o ser se diz em muitos sentidos, mas, de um modo ou de outro, todos eles estão articulados pela substância.


Referências

ANGIONI, LUCAS. Introdução à teoria da predicação em Aristóteles. ISBN 85-268-0716-1. Editora da UNICAMP.

ARISTÓTELES. Categorias. Trad., introd. e comentários de Ricardo Santos. Lisboa: Porto Editora.

___________. (2003). Metafísica. Vol. I, prefácio e ensaio introdutório por G. Reale, São Paulo: Loyola.

___________. (2005). Metafísica. Vol. II, texto grego com tradução ao lado. G. Reale, São Paulo: Loyola.

REALE, GIOVANNI; ANTISERI, DARIO. O ser e seus significados. In: Aristóteles. História da Filosofia: Antiguidade e Idade Média (Volume I). São Paulo: PAULUS, 1990 (Coleção filosofia).

SANTOS, VINICIUS. Será a Metafísica de Aristóteles uma “ontoteologia”? Disponível em <http://s3.amazonaws.com/academia.edu.documents/42981768/SERA_A_METAFISICA_DE_ARISTOTELES_ UMA_ONTOTEOLOGIA.pdf?AWSAccessKeyId=AKIAJ56TQJRTWSMTNPEA&Expires=1467775705&Signature=ge%2BbOKHRoG0K6xln1OdXW KEt2c0%3D&response-content-disposition=inline%3B%20filename%3DSERA_A_METAFISICA_DE_ARISTOTELES_UMA_ONT.pdf>. Acesso em 05/07/2016.

ZILLIG, RAPHAEL. A substância e o ser dos itens não substanciais em Z1. Curitiba, São Carlos, vol. 7, n. 3 – especial, p.37-50, abril, 2010

_____________. Sobre os múltiplos sentidos de substância: Nota acerca de Metafísica Z 1028b33-34. op. cit.

Categoria: Filosofia, Filosofia Antiga, Metafísica e Ontologia

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Comentários (1)

Trackback URL | Feed RSS dos Comentários

  1. Elan Marinho Elan Marinho disse:

    O ser é tudo, exceto o nada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas