Arquivo para julho, 2016

Discussões agostinianas e tomistas: A lei eterna e as leis temporais

Discussões agostinianas e tomistas: A lei eterna e as leis temporais

Quando se fala na existência de alguma lei eterna, várias são as discussões possíveis, pois há considerações filosóficas e jurídicas importantes a serem levadas em conta. Em primeiro lugar, a questão existencial da lei eterna envolve uma problemática complexa, já que requer uma minuciosa análise, verificando condições históricas, sociológicas, teleológicas, e inclusive teológicas. Então, a […]

Continue Lendo

Caixão

Caixão

Às vezes me sinto como se estivesse Flutuando sobre um caixão Desacordada Á mercê de minha própria memória. Às vezes risco fósforos ou incito o gás do isqueiro Acendendo velas para as chamas do pensamento E fintando, de algum modo, a labareda do coração. Às vezes me sinto como se jamais Tivesse conhecido algum lugar […]

Continue Lendo

Etimologia, caracterizações e tipos de Misticismo

Etimologia, caracterizações e tipos de Misticismo

Etimologia Segundo António de Macedo [1], o substantivo “misticismo”, de cunhagem mais recente, tem sua origem em um adjetivo antigo, “mystikos”, o qual remetia aos mistérios, sobretudo os eleusinos. Por sua vez, a palavra “mistério” se originou da raiz my- (ou –mu), da qual derivaram verbos gregos como myeô (iniciar nos mistérios, sagrar, instruir) e […]

Continue Lendo

A Comunicação Não Violenta de Marshall Rosenberg

A Comunicação Não Violenta de Marshall Rosenberg

Seria um feito atípico discordar da importância da linguagem no que diz respeito a Filosofia ou a qualquer investigação acerca da humanidade, quer seja sobre uma possível natureza humana quer seja sobre a teknè. Isso porque a linguagem traduz uma característica peculiar a nossa espécie, sendo esta para muitos exatamente o nosso diferencial diante dos […]

Continue Lendo

O que é liberdade, afinal?

O que é liberdade, afinal?

Considerações a partir do senso comum

Muito se discute sobre quanto seriamos livres ou não, sobre como somos oprimidos e perdemos liberdade e como poderíamos conquistá-la, mas nem sempre há discussão sobre o fundamento sem o qual parece que não há como distinguirmos se somos livres ou não e como se perde ou se ganha liberdade, fundamento este que é a […]

Continue Lendo

Por que (não) é preciso ser feliz consigo antes de namorar

Por que (não) é preciso ser feliz consigo antes de namorar

| 17/07/2016 | 4 Comentários

Tenho lido muito da geração new age o juízo de que antes de entrar num relacionamento é preciso ser feliz sozinho. Comecei então a perceber que a felicidade se tornou hoje uma espécie de imperativo subjetivo e solitário: se você aceitar seu corpo tal como ele é, se cuidar da sua saúde, se reconhecer e amar suas qualidades e defeitos, se […]

Continue Lendo

Transgêneros nas tribos norte-americanas

Transgêneros nas tribos norte-americanas

A ideia de uma alma masculina ou feminina num corpo trocado é tão natural que mesmo em culturas que nunca se misturaram ela está presente. Em 1530, o explorador espanhol Cabeza de Vaca escreveu em seu diário sobre machos indígenas nativos “macios”, nas tribos da Florida, vestindo-se e trabalhando como as mulheres. Essa variação de […]

Continue Lendo

Angústia

Angústia

Dói passar dia após dia pensando Que não preciso pensar em tantas coisas Dói o passar das horas E o tédio que não vai embora Dói escrever sobre a angústia Pois a escrita, antes de padecer, deveria educar Dói sentir um sentimento que pensa E uma dor incapaz de deixar pensar

Continue Lendo

Lana Del Rey, a poetisa da melancolia

Lana Del Rey, a poetisa da melancolia

Lana Del Rey, embora considerada por muitos uma das segmentações do mercado da indústria cultural, parece por outro lado realmente se preocupar com a arte que faz. Isso porque seu processo criativo, saltando por sobre o mercado pop americano comum, tem um teor subjetivo tal que clama pelo olhar perscrutador do público. Aliás, mesmo seu […]

Continue Lendo

O naturalismo biológico e a consciência em Searle

O naturalismo biológico e a consciência em Searle

John Searle (1932), uma vez que acredita serem os problemas neurobiológicos da consciência[1] passíveis de reflexão filosófica, se propõe a resolver o impasse da relação entre a mente e o corpo (de que modo os problemas cerebrais causam a consciência e de que modo a consciência se realiza no cérebro?[2]), sendo isso o que ele […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas