Breviário de Aristóteles: Livro Δ da Metafísica

Em suma, o Livro Δ da Metafísica de Aristóteles reúne e explica uma série de termos relevantes à temática da filosofia primeira dos quais este texto tem por objetivo abordar seus oito primeiros. Alguns comentadores compreendem o Livro Δ como um léxico metafísico, no entanto, devido à sua brevidade, Giovanni Reale prefere dizer que ele tem caráter de esclarecimento preliminar dos termos que, na pesquisa dos livros seguintes, serão usados e aprofundados ao longo de toda a pesquisa metafísica[1]. Segue abaixo suas acepções.

Princípio

(I) A parte de alguma coisa de onde se pode começar a mover-se;
(II) O melhor ponto de partida para cada coisa;
(III) A parte originária e inerente à coisa a partir da qual deriva;
(IV) A causa primeira e não imanente da geração;
(V) Aquilo por cuja vontade se movem as coisas que se movem e mudas as coisas que mudam;
(VI) O ponto de partida para o conhecimento de uma coisa.

Causa

(I) A matéria de que são feitas as coisas;
(II) A forma e o modelo, ou seja, a noção de essência e seus gêneros;
(III) O princípio primeiro da mudança e do repouso;
(IV) O fim, quer dizer, o propósito da coisa ou em outros termos;
(I)
O substrato;
(II) A essência;
(III) O agente da mudança e da quietude;
(IV) O fim e o bem das coisas.

Elemento

O constitutivo primeiro e imanente de cada coisa.

Natureza

(I) A geração das coisas que crescem;
(II) O princípio originário e imanente, do qual se desenvolve o processo de crescimento da coisa que cresce;
(III) O princípio do primeiro movimento;
(IV) O princípio material originário;
(V) A substância dos seres naturais;
(VI) A forma.

Necessário

(I) Aquilo sem cujo concurso não é possível viver ou aquilo sem o que o bem não pode existir nem produzir e aquilo sem o que o mal não pode ser evitado;
(II) O que obriga;
(III) O que não pode ser diferente do que é;
(IV)
A demonstração segundo a qual não é possível que as conclusões sejam diferentes do que são.

Um – Unidade quanto ao/à

(I) Número;
(II) Espécie;
(III) Gênero;
(IV) Analogia que se faz.

Ser

(I) Em sentido acidental/predicativo;
(II) Em sentido por si;
(III) Em sentido verdadeiro;
(IV) Em potência e em ato.

Substância

(I) O que se diz dos corpos simples;

(II) O que é imanente às coisas que não se predicam de um substrato e que é causa de seu ser;
(III) As partes imanentes à essas coisas;
(IV) A essência cuja noção define a coisa.


[1] REALE, Giovanni. Aristóteles Metafísica: Ensaio introdutório. 3ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014, p. 137-138.

Tags: , , , , , , , , , , ,

Categoria: Filosofia Antiga, Metafísica e Ontologia

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas