Quatro tipos de fenômenos mentais

fenômenos mentaisUma caracterização geral e bastante sintética dos fenômenos mentais permite classificá-los em quatro modos, a saber:

  1. Estados sensoriais:
    Tais como as sensações determinadas (na qualidade de branco, preto, doce, amargo etc.) e as articulações dessas determinações, os estados sensoriais dizem respeito ao aspecto qualitativo pelo qual a totalidade de uma percepção é formada. A propósito, foi a partir de Descartes que o conceito de sensação começou a ser distinguido nitidamente do de percepção. O filósofo francês entendeu por sensação a simples advertência dos movimentos provenientes das coisas, distinguindo-a de percepção, que seria uma referência à coisa externa. Mais tarde Kant, com sua Dialética Transcendental, determinou que “uma percepção que se refira unicamente ao sujeito, como modificação de seu estado, é sensação”. Assim, enquanto a sensação determina um aspecto particular do objeto, a percepção indica uma qualidade complexa do mesmo. Alguns filósofos identificaram ainda os estados quase perceptuais, que, embora sejam igualmente qualitativos, não se originam da percepção de um objeto, e sim do próprio aparelho psíquico, a exemplo disso está a alucinação.
  2. Atitudes proposicionais:
    Em relação à Filosofia da Mente, é comum associar Russell como o precursor do estudo das atitudes proposicionais. Sua filosofia analítica foi responsável por reduzir as proposições a uma atitude mental, considerando-as como crenças ou atitudes proposicionais, e também por afirmar que as proposições devem ser definidas como eventos psicológicos de certa espécie, por exemplo, imagens complexas, expectativas, etc. Segundo Russell, isso é evidenciado pelo fato de que as proposições podem ser falsas, e exatamente por isso, ou seja, por sua falseabilidade, os estados mentais têm relação com alguma sentença assertiva e denotam uma relação psicológica à algo extrapsíquico. Assim, um indivíduo pode compreender diferentes conteúdos proposicionais para uma mesma atitude e vice versa, uma mesma atitude pode gerar conteúdos proposicionais distintos. As atitudes proposicionais, portanto, pedem um complemento tal como a crença ou o desejo de modo que ambos evoquem num estado (isto é, uma permanência, uma instância continuada de uma propriedade), num evento (uma mudança, uma substituição de uma propriedade por outra) ou num processo, ou melhor, numa conexão articulada de uma série de estados e eventos.
  3. Tipos de fenômenos mentais
    Em geral os fenômenos mentais dizem respeito ao sentimento, como algo mais tênue, aos estados de ânimos, ainda mais tênues, e às emoções, de qualidade mais forte (e.g. raiva, alegria). Um exemplo de estado de ânimo seria certa negatividade que não é propriamente uma tristeza e não possui um conteúdo proposicional notável.
  4. Traços de personalidade:
    Os traços de personalidade se remetem aos fenômenos mentais relevantes no psicológico de um sujeito a partir de suas inclinações ou disposições para manifestar certos estados psíquicos. No behaviorismo, por exemplo, as disposições da persona são comportamentais e dizem respeito a uma potência que se manifesta em determinadas condições necessárias. Na psicologia contemporânea H. J. Eysenck diz: “Personalidade é a organização mais ou menos estável e duradoura do caráter, do temperamento, do intelecto e do físico de uma pessoa: organização que determina sua adaptação total ao ambiente. Caráter designa o sistema de comportamento conativo (vontade) mais ou menos estável e duradouro de uma pessoa. Temperamento designa seu sistema mais ou menos estável e duradouro de comportamento afetivo (emoção); intelecto, seu sistema mais ou menos estável e duradoro de comportamento cognitivo (inteligência); físico, seu sistema mais ou menos estável e duradouro de configuração corpórea e de denotação neuroendócrina” (The Structure of Human Personality, 1953). Simplificando, para Catel, “Personalidade é o que permite a previsão do que fará uma pessoa numa dada situação” (Personality, 1950).

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Categoria: Filosofia, Filosofia da Mente, Psicologia e Neurociência

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas