Artistas são eróticos

Talvez Platão esteja certo ao declamar: expulsemos os artistas da cidade Ideal!
Artistas são eróticos no sentido mais podre da expressão, artistas são a natureza,
Artistas não nasceram do naturado, artistas pariram a si.
Artistas são o Eros de seu próprio pensamento
Semente que brota e colhe a si mesma.
Fortalece-se com seu próprio poder,
É automotor jorrando performance.
Artistas têm um grande, ilustre, brutal!
Um máximo problema: para os artistas não há Ideia.
A razão pela razão é apagada na gruta dum genuíno fogo.
Artistas permanecem na caverna porque artistas são trevas
Esquecemos a exegese bíblica: artistas são corrupção!
Artistas são escuros porque cobrem-se de dor,
Dor de sua própria criação!
Artistas superam deuses, a estes se igualam no sentido mais cru, mais iluminado
São estrelas, ídolos, martelos… gozo!
Artistas são maximamente eróticos,
Fazem sexo com seu próprio pensamento,
Fazem sexo com a arte.

Categoria: Artes e Letras, Poesias

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco – UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Comentários (1)

Trackback URL | Feed RSS dos Comentários

  1. O nihilista caracteriza-se sob outro aspecto: a) que o mundo que existe não deveria existir; b) que o mundo que deveria existir não existe.

    Esse é o aspecto do nihilista negativista, pessimista. Há outra espécie: a dos construtivos. São os que afirmam que o mundo, que deveria existir, poderá ser construído.

    Nesse caso, há lugar para os artistas. Eles procuram criar um mundo como eles desejavam que existisse. Em suas alucinações, há afirmativas de desejos irrealizados. Há retas novas, e o artista é sempre um completador, um renovador, um modificador, um mistificador, um intérprete.

    Um olhar objetivo para a vida é, muitas vezes, uma demonstração de fraqueza, de pobreza de vontade. A arte deve ser olhada como embriaguez, como superação. Por meio dela, o homem tem ultrapassado seus limites. O artista é um símbolo, fixa ânsias, desejos, é um demiurgo de realidades …

    Cometem um gravíssimo erro aqueles que julgam que basta o virtuosismo da arte. Um “virtuose”, para criar, necessita de cultura. Os artistas que combatem a cultura apresentam apenas simples ensaios, meras experiências. Não se pode nunca conceber um demiurgo ignorante. O ato de criação é também um ato de inteligência, de concatenação, de amplo domínio.

    – Mário Ferreira dos Santos, Páginas Várias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas