Mentalidade animal: inteligência prática

maNas duas últimas décadas houve uma grande transformação na forma como se via a inteligência dos animais. Defendia-se que o comportamento do ser humano era orientado pela inteligência, pensamento e consciência, enquanto o comportamento animal regia-se por instintos inatos e reflexos condicionados.

A inteligência animal refere-se às capacidades cognitivas dos animais não humanos, tais como a capacidade de criar ferramentas, mapas mentais e planeamento consciente, que por tempos era considerado uma faculdade exclusiva dos seres humanos.

Diferenciando a inteligência animal da humana, podemos destacar o fato de que o Homem tem em sua posse tanto a inteligência conceitual quanto a prática, porém nos animais é mais comum o aprimoramento da habilidade em encontrar respostas através de ações motoras, produção e ajustamento de ferramentas. Os animais, portanto, recorrem mais à Inteligência Prática.

O Homem pode não estar sozinho na sua capacidade planejamento do amanhã. Corvos, por exemplo, já foram vistos guardando comida para o dia seguinte e, até mesmo, descobrindo meios de impedir que a reserva fosse roubada.

Segundo o professor de ecologia comportamental da Universidade de Oxford, Alex Kacelnik, os corvos não só já foram vistos usando ferramentas, como fabricando seus instrumentos, torcendo e dobrando pedaços de fio para retira comida de locais inacessíveis.

Edward A. Wasserman, pesquisador de psicologia experimental, defende a tese de que, como as pessoas, pombos e babuínos são capazes de identificar quais figuras são similares, como triângulos e pontos, e quais são diferentes.

Além disso, a compreensão do número está presente entre vários gêneros de primatas. Os avanços vão além. Estudiosos e macacos podem apresentar o mesmo poder de calcular a soma integral de dois conjuntos sem que seja necessário contar um por um. Atualmente os pesquisadores verificam se esses animais estão aptos a captar o significado do zero.

Os primatas também apresentaram comportamentos que podem ser reconhecidos como uma espécie de moral entre esses animais. Relata-se o caso de que alguns chimpanzés, que são animais que não sabem nadar, morreram afogados em piscinas de um zoológico tentando salvar os outros de sua espécie. Alguns macacos resus, por sua vez, passaram fome por vários dias, uma vez que só podiam obter comida puxando uma corrente que causava choque elétrico a um companheiro, ambos têm capacidades de raciocínio diferentes e muito distintas.

A inteligência, portanto, não é um atributo único do homem. Os seres humanos e os animais apenas têm capacidades de raciocínio diferentes.

Categoria: Zoologia

Natalia Cruz Sulman

Sobre o(a) Autor(a) ()

Estudante de Filosofia (Universidade Federal de Pernambuco - UFPE), tenho paixão pelo mundo. Busco conhecer a vida em seus mais íntimos aspectos: desde a origem do primeiro ser ao que está se desenvolvendo no imensurável circulo existencial. Prezo pela comunicação afetiva e verdadeira e, através de tais encantos, vivencio a Palavra em seus mais profundos aspectos, isto é, o conhecer e o comunicar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para a barra de ferramentas