Arquivo para junho, 2015

Sapiência como ciência das causas

Sapiência como ciência das causas

Sobre o Cap. 1 e 2 (Livro A) da Metafísica de Aristóteles

O Livro A da Metafísica de Aristóteles começa expondo que a sapiência é a mais elevada das ciências, pois esta é o conhecimento das causas e dos princípios primeiros. O filósofo grego assevera como todos os homens, por natureza, tendem ao saber. Sinal disso é o amor pelas sensações. De fato, eles amam as sensações por si mesmas, […]

Continue Lendo

O Direito e sua crise de identidade

O Direito e sua crise de identidade

Ética, moral, política e direito, palavras que automaticamente produzem um efeito de compreensão instantâneo quando apreendidas, porém, em sua delimitação particular, umas com as outras, apresentam um conflito teórico secular, de profundas intrigas ideológicas. Falando particularmente do Direito, este desde sua etimologia apresenta uma complexificação não identificada pelos outros ramos da humanidade, a palavra direito […]

Continue Lendo

Uma tentativa de desatar o nó geológico

Uma tentativa de desatar o nó geológico

O método cientifico e a especulação filosófica a partir do umbigo de Adão

Nesta reportagem explicarei melhor o que anteriormente havia citado a respeito do Procronismo de P. Henry Gosse (1810-1888), biólogo britânico contemporâneo de Charles Darwin. Gosse, como cristão devoto, ficou preocupado com a evidência geológica que parecia favorecer longas eras e mudanças evolucionárias, sentindo-se compelido a prover uma explicação racional para essa desconcertante evidência. Assim, em […]

Continue Lendo

A face do espanto

A face do espanto

Em muito os entes encontram-se enfermos, jogados sob um mundo que em nada apresenta cognição hiperinteligível, pairando numa beleza airosa incapaz de lançar cognições plenas sobre a raiz de sua própria beldade. Dentre toda a virtude há inúmeras confusões: como é possível reconhecer e conectar-se a tal bem? A verdadeira beldade torna-se o primeiro sinal […]

Continue Lendo

Amor e morte no louva-a-deus

Amor e morte no louva-a-deus

O canibalismo sexual

Levei um macho de Mantis carolina [louva-a-deus] a um amigo que vinha mantendo uma fêmea solitária como mascote. Colocados os dois no mesmo frasco, o macho, alarmado, procurou escapar. Em poucos minutos, a fêmea conseguiu agarrá-lo. Primeiro, ela lhe arrancou parte do tarso dianteiro esquerdo e devorou-lhe a tíbia e o fêmur. Em seguida, roeu-lhe […]

Continue Lendo

O princípio do intelecto, da vida e de todas as coisas

O princípio do intelecto, da vida e de todas as coisas

O Um de Plotino

A publicação anterior tratou da visão do neoplatônico Plotino acerca da natureza e como o nascimento desta é uma contemplação voltada para a alma anterior à esta natureza. Em sua filosofia o que é gerado é homogêneo ao que gera, porém mais fraco já que o principio originado tende a perder suas características ao deslocar-se para baixo: do Um em direção ao […]

Continue Lendo

O envolvimento dúbio com o álcool

O envolvimento dúbio com o álcool

O alcoolismo é um dos problemas mundiais em saúde pública de grande envergadura e uma das maiores causas de morte clínica em muitos países. Dentre as beatitudes oferecidas pelo estado do alcoolismo, a mitologia grega mais uma vez vem à tona com Dionisio, um ótimo exemplo para explanar tal tema. Conhecido como o deus do […]

Continue Lendo

Geofilia

Geofilia

Sou fruto de depressões que passeiam no baixo curso [do rio da vida] onde, nas jusantes, desaguam os sentimentos mais latentes, Que desembocam nas voluptuosidades da alma. Sou um fator determinante no desperdício da matéria Que matéria eu sou? Várias, diversidade materializada, provocando enchentes na foz dos teus olhos secando as palavras na montante da […]

Continue Lendo

Primeiras formas de vida teriam surgido a partir de moléculas orgânicas

Primeiras formas de vida teriam surgido a partir de moléculas orgânicas

Provável que os antecessores das células eram simples agregados de moléculas

As atuais teorias cientificas experienciaram como moléculas orgânicas (substâncias químicas que contêm na sua estrutura Carbono e Hidrogênio), formadas pela ação de relâmpagos, chuva e energia solar sobre os gases do ambiente, acumularam-se nos oceanos. Notou-se que essas moléculas têm a tendência de se agrupar – motivo pelo qual provavelmente estes grupos adquiriram a forma […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas