Filosofia

Um discurso em mangas de camisa – Tobias Barreto

Um discurso em mangas de camisa – Tobias Barreto

Meus senhores! Ainda uma vez, é a mim que incumbe vir expor-vos, e em traços mais visíveis, a ideia que se propõe realizar o Clube Popular da Escada. A primeira reunião que já fizemos não foi, nem podia ser inteiramente satisfatória, sob este ponto de vista, porquanto, além da grave dificuldade, que há em falar-se, […]

Continue Lendo

A linguagem em Platão à luz de Arendt

A linguagem em Platão à luz de Arendt

Em A vida do Espirito, Hannah Arendt disserta (p. 90), se baseando na famosa Sétima Carta de Platão, sobre a visão do autor em relação à linguagem. Em geral, Platão escreve seus textos em forma de diálogos. Isso não parece se dar por acaso, já que, de acordo com Arendt, Platão crê que é possível […]

Continue Lendo

A alma tirânica e os sonhos

A alma tirânica e os sonhos

Dizia o velho Platão que no sonho, mesmo entre os homens mais virtuosos, a razão adormece; e enquanto dorme, desperta a irascibilidade. O mesmo pensamento (ou ao menos o cerne dele) permanece ao longo dos séculos, continuadamente vivo entre os mais versados homens modernos sobre os sonhos, a maioria deles mencionados por Freud em sua […]

Continue Lendo

Filosofia

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração

Não há vida intelectual sem oração, ainda que em certo grau possa haver a erudição nos ímpios. Isso porque, como expressa São Máximo, a oração – e somente ela – separa o intelecto dos pensamentos, apresentando então a verdade integralmente desnuda. Para compreender a necessidade desse desnudamento, é preciso ter em mente duas coisas: a […]

Continue Lendo

A angústia na filosofia heideggeriana

A angústia na filosofia heideggeriana

Na angústia o homem se sente estranho – todas as coisas e o próprio ser-aí afundam numa indiferença. Através dessa indiferença, o homem deixa de encontrar apoio no ente. Não há significação, não há projeto de ser, não resta nenhum consolo: o ente já não diz nada. A angústia, nesse sentido, inviabiliza que o ser-aí […]

Continue Lendo

As paixões e o desejo na filosofia grega

As paixões e o desejo na filosofia grega

Em seu texto Os Gregos e o Desejo do Ser: Dos Préplatônicos a Aristóteles (Les Grecs et Le Désir de L’Être: Des préplatoniciens à Aristote), Jean Frére mostra o quão parcial e unilateral é limitar a filosofia grega aos seus aspectos racionais. Aliás, as influências da arte dionisíaca e dos heróis homéricos são testemunhas do […]

Continue Lendo

Artes e Letras

Como ser um filósofo genial sem se esforçar muito

Como ser um filósofo genial sem se esforçar muito

As minhas interpretações das interpretações de Heráclito me levaram a uma divagação que quero expor aqui. Ela tem um certo tom de revolta, mas isso se deve à sensação de improdutividade que o tempo despendido me esforçando para compreender os fragmentos heraclíticos gerava. Entretanto, não se apeguem a isso. Meus sentimentos do momento em que […]

Continue Lendo

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

Principais frases dos Relatos de um Peregrino Russo

1. Pela graça de Deus, sou um homem cristão; pelas minhas ações, um grande pecador. 2. A própria oração vai revelar-lhe de que maneira ela pode se tornar uma prece perpétua; mas isso demora algum tempo. 3. Não é através da sabedoria desse mundo nem através de um vão desejo de obter conhecimentos que somos […]

Continue Lendo

Guerra à filosofia do talvez

Guerra à filosofia do talvez

Nietzsche é elogiado por uma multidão de jovens e homens imaturos; não porque ele é um filósofo verdadeiro, mas porque é um poeta sedutor. Ele seduz os corações enfermos; os corações que se encontram diante do Abismo, sendo este abismo um dos maiores ídolos que o homem imaginou após a queda. O abismo sim é […]

Continue Lendo

Ética e Cidadania

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

Qual a relação entre a crise da Metafísica e a vida?

O fio condutor para relacionar a crise da Metafísica com a vida está na narrativa do Crepúsculo dos Ídolos, segundo a qual não é preciso dispor de forças reativas para teorizar em favor do declínio do suprassensível – para isso, de forma genealógica, basta narrar a própria história da Metafísica. Pois bem, segundo Nietzsche, ela começa com […]

Continue Lendo

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

Quatro características fundamentais do construtivismo político de John Rawls

John Rawls, em sua Conferência II sobre o Liberalismo Político, trata do construtivismo político, acreditando que este salvaguarda o pluralismo razoável e assegura a possibilidade de um consenso sobreposto em relação a seus valores políticos fundamentais, isso por conter quatro características elementares, a saber: PRIMEIRA CARACTERÍSTICA DO CONSTRUTIVISMO POLÍTICO: “Os princípios de justiça política (conteúdo) […]

Continue Lendo

Como pensar com conceitos

Como pensar com conceitos

Antes de educar-se em Filosofia, é necessário aprender a trabalhar com a mesma a partir de seus problemas, sendo um dos primeiros, a análise de conceitos. Isso porque as palavras, em seu uso comum, quase sempre estão aquém dos conceitos dos filósofos, ou antes carregam uma série de usos possíveis, mas nunca uma concepção ou […]

Continue Lendo

Biofilia

Os problemas epistemológicos e suas variáveis

Os problemas epistemológicos e suas variáveis

É fácil nutrir simpatia pela conclusão da modernidade de que a epistemologia é o ponto de partida das investigações filosóficas (digo isto pensando a filosofia como uma atividade de resolução de problemas) e isso pra mim é relativamente claro de se ver. Desde seus primórdios a tradição filosófica junto a pensadores como Platão ou Tomás […]

Continue Lendo

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Homicídio alimentar e suicídio invisível

Perceber que se tem certos vícios alimentares ainda não considerados indiciosos por quase ninguém, ou ao menos pela massa da população que também os têm, é como encontrar um enferrujado cadeado de laboriosa abertura. Sucede que a intemperança do declínio ético-corporal se torna de difícil cura, pois sua incorreção é muito mais sutil que, i.g., o álcool, o […]

Continue Lendo

Consciência de criatura e consciência de estado em Rosenthal

Consciência de criatura e consciência de estado em Rosenthal

David M. Rosenthal pensa que nenhum fenômeno mental é mais central que a consciência para uma adequada compreensão da mente e, senão por isso, nada lhe parece mais próprio a um tratamento teórico sofisticado do o que faz com que um estado consciente seja de fato consciente uma vez que, segundo ele, nem todos os […]

Continue Lendo

Espiritualidade

O Significado de Heresia

O Significado de Heresia

Compreendemos o problema da heresia quando adentramos no significado da palavra em questão; o que significa heresia, afinal? Significa “a escolha, a seleção e preferência de uma parte da verdade em detrimento do todo da verdade”. Que isso quer dizer? Que os heréticos absolutizam apenas um aspecto da verdade, um aspecto, no entanto, que comporta […]

Continue Lendo

Nepsis (νῆψις)

Nepsis (νῆψις)

Nepsis (νῆψις) é um termo grego que pode ser traduzido por “vigilância” e “sobriedade”, ou fenomenalmente, pelo neptikos, o homem de “existência vigilante e sóbria”. No cristianismo oriental, se diz que a permanência neste estado é a marca da santificação, que nestes termos, se caracteriza pela permanente concentração do pensamento enquanto este não é mais afetado nem […]

Continue Lendo

Kenosis (κενόω)

Kenosis (κενόω)

Kenosis vem do verbo grego κενόω, que significa “vazio”, “despir-se”. Na língua francesa, o termo akène, tem a mesma raiz deste termo grego, e é muito usado na botânica, significando uma espécie de fruto que não pode se abrir sozinho. Em sentido teológico, análogo a isso, vemos que sozinho em seu próprio desejo, que quase […]

Continue Lendo

Outros artigos recentes

Sócrates: a filosofia e seu ensino

Sócrates: a filosofia e seu ensino

Com Sócrates sendo condenado à morte, Kohan percebe que já nos primórdios da filosofia, seu ensino não tem lugar na pólis, pois, parece-lhe, o professor de filosofia não fala a linguagem oficial da cidade. Isso, provavelmente, porque nenhum cidadão comum mostra saber algo de valor, ainda que acredita saber sobre tal. O filósofo, por outro lado, se […]

Continue Lendo

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

Qual a relação entre Lógica e Metafísica em Carnap e Heidegger?

| 19/03/2017

A relação inaugural entre Lógica e Metafísica está no poema de Parmênides, o qual sugere uma profunda identidade entre ser e pensar. Uma vez que a repercussão à sua premissa – seja a partir da aceitação seja da oposição – é tão vasta na História da Filosofia, um dos caminhos para a superação da Metafísica – […]

Continue Lendo

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Por que e como Carnap defende que a análise lógica da linguagem permite a superação da metafísica?

Segundo Carnap, a análise lógica da linguagem – e somente ela – permite uma superação da metafísica enquanto conhecimento à medida que faz ver que as supostas proposições metafísicas são completamente sem-sentido. À primeira vista, ainda que as sequências de palavras das filosofias de valores pareçam proposições com significado, na análise lógica, elas se revelam como pseudoproposições; ora seus […]

Continue Lendo

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

A liberdade dos antigos comparada à dos modernos

Em seu discurso Da liberdade dos antigos comparada à dos modernos, Benjamin Constant se propõe a distinguir duas formas de liberdade, qual seja, a da Antiguidade e da Modernidade, sendo a primeira sumamente entendida como liberdade política, e a segunda, como liberdade individual. A liberdade dos antigos, diz ele, “…consistia em exercer coletiva, mas diretamente, […]

Continue Lendo

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Semelhanças e diferenças entre Marx e Hegel

Com finalidade de demonstrar as semelhanças e diferenças entre Karl Marx e G. W. F. Hegel, devemos, antes de tudo, principiar que muitas de suas discordâncias estão imersas em suas convergências, pois Marx retira muito do pensamento de Hegel, sem, porém, se limitar a este, razão pela qual o primeiro “revoluciona” o sentido da obra […]

Continue Lendo

O paradigma da filosofia da consciência

O paradigma da filosofia da consciência

Resumo: O presente ensaio visa argumentar que a justificativa habermasiana do abandono do paradigma da consciência pelo nível de dificuldade de investigação é valida na medida em que se faz do problema intransponível. Quando por sua vez a questão é tratada sob um outro olhar – o qual admite uma investigação mais profunda e expansiva – tal […]

Continue Lendo

Receitas veganas para tempos de Jejum Ortodoxo ☦

Receitas veganas para tempos de Jejum Ortodoxo ☦

Queijo prato vegatal Ingredientes 3 colheres de sopa purê de mandioca ou mandioquinha, 1 xícara polvilho doce, 1/2 xícara polvilho azedo, 3 colheres de sopa óleo azeite ou creme vegetal, 1 colher de café de sal, 1/2 limão extrair o sumo, 1 colher de chá levedo de cerveja, 1/2 colher de chá açafrão em pó. […]

Continue Lendo

Da Incomunicabilidade dos Sentimentos

Da Incomunicabilidade dos Sentimentos

O presente texto possui duas questões e uma pretensão. A primeira se refere a possibilidade da linguagem de comunicar sentimentos e do quanto esta linguagem poderia nos permitir entendermo-nos uns aos outros quanto a estas experiências subjetivas. A segunda é acerca das consequências da resposta desta primeira questão para o tema da solidão. A pretensão […]

Continue Lendo

Górgias e o “Lógos”

Górgias e o “Lógos”

| 09/01/2017 | 0 Comentários

Introdução Na antiguidade, a democracia grega era baseada na tentativa de resolução de problemas por meio do diálogo. Através de assembleias – reuniões de cidadãos – os discursos se confrontavam e os mais persuasivos eram aproveitados para a tomada de decisões. Nesse sentido, o domínio sobre o Lógos – enquanto “discurso” – estava relacionado ao […]

Continue Lendo

Monarquia: As Razões Reais de Mário Saraiva

Monarquia: As Razões Reais de Mário Saraiva

“Quem não vê que o mecanismo da chefia republicana é um fator periódico e persistente de desunião e de luta interna? Quem não vê que o ato fundamental e mais solene do sistema republicano é aquele que mais fere e contraria a unidade nacional? Como nos pode prometer união um regime que nos obriga contrariamente […]

Continue Lendo

Pular para a barra de ferramentas